A vergonha e o orgulho de ser Gaúcho

em Blog

Reproduzo aqui um texto do Eduardo S. Starosta

Sei que levarei pedradas com o que direi nas próximas linhas. Mas garanto que é menos ruim encarar escoriações e hematomas na pele, do que sentir a corrosão interna da própria alma pela omissão por não externar o que realmente penso.

Em 1999 deixei o Rio Grande do Sul. Voltei a frequentar mais seguidamente o estado a partir de 2007, especialmente em função do nascimento de minha filha, em Porto Alegre.

Mas a saída das terras gaúchas não foi apenas uma questão de oportunidade. Provoquei deliberadamente tal mobilização por não acreditar em um futuro muito próspero para o Estado e, consequentemente, para mim próprio.

De forma alguma renego minhas origens porto-alegrenses, das quais tenho grande orgulho. Mas esse sentimento realmente não chega a ser exagerado a ponto de prejudicar meu senso crítico. E no final do século passado as coisas não iam nada bem no Extremo Sul do Brasil. E só tendiam a piorar.

A perda do investimento da Ford dominava os ânimos da época. Mas talvez o foco de maior força simbólica daquele tempo tenha sido a depredação consentida do relógio do milênio, logo na virada para o tão esperado (e mistificado) ano 2000. O recado era bastante claro: o Rio Grande do Sul parava no tempo.

E incrivelmente isso foi acontecer a partir de uma presunção de sabedoria. Afinal, os gaúchos sempre consideraram a si próprios o povo mais politizado do Brasil, invocando para isso nomes históricos como Getúlio Vargas, João Goulart e outros que frequentam as páginas dos livros .

Mas que tipo de politização é essa? Será que foi tanta sabedoria o motivo que impediu a reeleição de ao menos um governador nos últimos seis mandatos do executivo gaúcho? Ou será que o eleitorado do estado tem compulsão por errar?

Sem querer identificar um diagnóstico definitivo, parece que a tal da politização se resume a uma ferrenha dinâmica dedicada a desgastar o poder estabelecido, na esperança de vagar a cadeira de chefe do palácio Piratini nas próximas eleições.
De acordo com essa tradição, os momentos de transição de poder são dedicados a minar a base de trabalho do sucessor e destruir os méritos do antecessor. Quem sai dá aumento de salário ao funcionalismo; e quem entra tende a eclipsar ou destroçar as boas realizações do último governador.

E no decorrer das últimas décadas, toda essa politização, associada a clientelismo, acabou por esculhambar com a máquina pública estadual, reduzindo a zero a capacidade de investimento do poder público, o que irremediavelmente afetou a vitalidade das empresas.

Enquanto os políticos gaúchos ficavam incessantemente politizando uns contra os outros e paradoxalmente trocando gentilezas de poder (cargos) entre si (através dos impostos, é claro), seus colegas do Sudeste, Nordeste, Centro-Oeste e Norte atuavam em conjunto nos pontos convergentes, conquistando melhores investimentos em infra-estrutura e privados.

Vendo a realidade por esse ângulo, rebati o banco traseiro de meu Uno Mille; carreguei o que tinha de mais importante; e peguei a estrada rumo à Brasília. Nada de política pública! Fui para a Capital Federal contratado por instituições privadas interessadas em alavancar o desenvolvimento econômico do Centro-Oeste e alguns estados do Norte (o saudoso Projeto Mercoeste).

Os primeiros meses em Brasília não foram fáceis. Acostumado a conviver com muitas pessoas, me deparei em um lugar onde tinha poucos conhecidos. E numa sexta-feira de 2000, quando preparava o espírito para mais um final de semana em companhia da televisão, tocou meu moderníssimo celular de meio quilo.

Era minha amiga, ex-professora da Universidade e então deputada federal Yeda Crusius, que ao mesmo tempo em que me repreendia por ter mudado para o Distrito Federal sem avisar, convidava para um churrasco no dia seguinte no Clube do Congresso, onde reuniria alguns amigos e parentes.

Depois daquele dia nosso contato passou a ser frequente por telefone. A partir de 2003, quando passei a assessorar o recém-eleito deputado Francisco Turra (acabou virando uma espécie de irmão), comecei a frequentar mais assiduamente o gabinete de Yeda. Pelo menos uma vez por semana ia lá tomar um cafezinho e conversar, normalmente sobre o Rio Grande do Sul.

Naquele convívio pude observar como a atual governadora gaúcha faz política. Ela é pragmática; não gosta de frescura e debates estruturalmente inconclusivos. Mas pessoalmente como apreciador do bom humor, não era raro eu falar algo que provocava acessos de riso na parlamentar.

O tempo foi passando e chegamos a março ou abril de 2006. Lembro que era final da manhã e tocou o celular (já não era o de meio quilo). Era Yeda.

– Eduardo, estou te ligando para comunicar que decidi me candidatar ao governo gaúcho.

– Que legal Deputada. No seu governo, vou querer ser secretário especial de manutenção de estátuas de mármore. Posso?

Depois de algumas risadas, conversamos um pouco mais sobre o assunto e o destino acabou nos distanciando.

Acompanhei minha amiga crescendo nas pesquisas, até conquistar uma brilhante vitória eleitoral. No dia do segundo turno estava em São Paulo. Saí de Guarulhos rumo a Porto Alegre para votar nela e voltar no final do dia. Quase que não consigo. Era o primeiro dia do colapso aéreo (lembra?). Votei, fui ao comitê de campanha e dei meu último abraço em Yeda.

Resolvi me afastar. Não gosto do clima de corte e puxa-saquismo (sangue-suga) que normalmente circunda o poder. Detestaria ser confundido com essa gente.

E conhecendo Yeda como conheço, sei que ela também não tem muita paciência para os “salamaleques estéreis”. Já disse, ela é pragmática. Quer realizar o que se propõe a fazer. E nessa linha enfrenta as contrariedades de forma direta; sem enrolação.

Acompanhando sua gestão pelas noticias, vi ela realizar coisas que pessoalmente não acreditava serem possíveis em tão pouco tempo. Duvidava da meta de equilíbrio das contas públicas do RS. Mas ela conseguiu.

Em 2009, pela primeira vez em décadas, o estado está podendo investir de verdade (mais de R$ 1 bi). E quem consegue isso, seguramente não brinca em serviço e muito menos dá espaço para malandragens.
Isso mostra ser tão sério para ela que – na qualidade de governadora – não titubeou em demitir aliados próximos (amigos) sobre os quais pairaram suspeitas.

Mas a verdade é que Yeda provocou um problema muito sério para ela própria: na medida em que conseguiu dinheiro para investir no estado, ela acabou se tornando uma séria candidata à reeleição, o que contraria a tradição política gaúcha.

Daí as tentativas violentas de destruir seu governo. Afinal, no manual das boas práticas partidárias do Rio Grande do Sul ainda deve haver algum capítulo especial insistindo na desmoralização de quem está no poder, seja quem for.

Quanto às acusações que pairam sobre a Governadora, acho improvável que sejam verdadeiras. A lógica da corrupção manda proteger os parceiros. Yeda Crusius fez o contrário, demitindo quem eventualmente estivesse fora da linha. Se ela tivesse culpa, os exonerados não hesitariam em colocar a porcaria no ventilador.

E o caso de Marcelo Cavalcante, morto em fevereiro? Ele tinha o status de secretário de governo e foi demitido por suspeitas de envolvimento em desvios no DETRAN gaúcho. Claro, ser botado para a rua em tais circunstâncias não faz nada bem para o ego.

Culpado ou inocente, o sujeito tende a criar sua própria vertente de
realidade… e mentir para si próprio e para os outros. De acordo com artigo do Psicólogo Clínico Rui Manuel Carreteiro (A Mentira, 2004) um ser humano normal mente cerca de 200 vezes por dia (os que dizem não mentir estão mentindo).

E daí, numa conversa telefônica informal e sigilosa com um amigo pessoal (que estava gravando), será que não rola alguns atentados à verdade? Lamentavelmente, não temos como perguntar a Marcelo..

Então, o que resta? Resta que Yeda Crusius foi a única governadora democraticamente eleita no Rio Grande do Sul que teve sucesso em arrumar as finanças do estado.

Para conseguir isso, certamente ela não teve tempo (nem saco) para ser conivente com firulas e incompetências. Daí vem a ciumeira, denúncias e o plano de destruição de uma gestora pública de altíssimo gabarito.

Talvez em 2011 eu consiga ligar para a minha amiga e combinar um chope. Mas se isso só for possível em 2015, compreenderei que é para o bem do Rio Grande do Sul; estado que me traz muito orgulho e algumas vergonhas.

Compartilhe:

Veja Também:

Bem vindo ao blog da Preview - Banco de Imagens.

Fique a vontade para compartilhar nossas fotos!

Embarque nesta aventura

Receba nossa newsletter, conteúdo exclusivo, promoções e muito mais...